• Samuel Lima

Mães do Programa Criança Feliz são Orientadas quanto ao Aleitamento Materno


A Prefeitura de Santa Rosa do Purus, nesta terça-feira (17), por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social realizou uma palestra de conscientização para as mães do Programa Criança Feliz em alusão ao mês dedicado ao incentivo à amamentação, Agosto Dourado, a palestra foi ministrada pela Coordenadora de Atenção Primária Básica de Saúde, Joice Silva da Costa.

O Programa Criança Feliz foi criado pelo governo federal brasileiro, por meio da Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016. A ex-primeira-dama do Brasil, Marcela Temer, foi a embaixadora do Criança Feliz. O programa tem como objetivo apoiar e acompanhar o desenvolvimento infantil de forma integral na primeira infância.

O programa Criança Feliz atende o público de 0 à 3 anos de idade que são beneficiadas pelo programa Bolsa Família e de até 6 anos que continuam inclusas no benefício. São cerca de 100 famílias que estão sendo acompanhadas pelo Criança Feliz de Santa Rosa do Purus. As visitas são efetivas para fortalecer os vínculos e as competências das famílias para o cuidado das crianças, a fim de promover o desenvolvimento infantil na primeira infância com possibilidades de impactar de forma positiva nas condições nutricionais, de saúde, aprendizagem, e desenvolvimento cognitivo, da linguagem, da motricidade e de competências socioemocionais, dentre outros aspectos.

A Amamentação é a Troca de Afeto mais Poderoso do Mundo foi a frase escolhida nesta manhã para a discursão da palestra do Programa Criança feliz.

Tudo o que a mãe consome e sente é transmitido para o bebê, ela deve procurar se manter saudável e tranquila durante a gravidez. O pré-natal deve começar o mais cedo possível, no mínimo seis consultas durante a gravidez, essas consultas são momentos preciosos de acompanhamento da gestação e de orientação sobre as mudanças e dificuldades que podem ocorrer, o médico da mãe deve orientar sobre que remédios e substâncias devem ser evitados durante o parto e a amamentação, estímulos como massagens, lazer e músicas produzem hormônios que auxiliam no desenvolvimento do bebê, situações estressantes devem ser evitados ao máximo, não só pela gestante, mas por todos os que estão à sua volta.

Amamentar é mais que fornecer alimento: é uma experiência transformadora e prazerosa entre mãe e filho, nesta fase a mãe oferece segurança e acolhimento, fortalecendo vínculo com o seu bebê. A Organização Mundial da Saúde recomenda exclusivamente amamentar até os seis meses de vida. Nesse período a mãe não sustenta só com seu leite, mas também com seu colo, seu toque e seu olhar, mesmo antes de o bebê começar a se comunicar. O bebê é capaz de compreender que a mãe está ali, enchendo-o de amor e cuidados. Logo nos primeiros dias, após o parto a amamentação é essencial para a formação do elo entre a mãe e filho, ajudando a estabelecerem suas rotinas e a irem se conhecendo, a saúde de ambos é beneficiada. Para a mãe, a mamada na primeira hora de vida estimula a contração do útero de volta para o tamanho normal, e para o bebê traz os anticorpos do colostro, que ajudam em muito o desenvolvimento do seu sistema imunológico. O leite materno é um alimento riquíssimo balanceado para a nutrição e o desenvolvimento do bebê, em todas as diferentes etapas de desenvolvimentos. Durante a amamentação o bebê não precisa de nenhum outro tipo de alimento, nem mesmo de água. Para amamentar é preciso treino, pois nem a mulher nem a bebê nascem sabendo. Os primeiros dias são essenciais para o sucesso da amamentação. É um período em que a mãe e o bebê estão se conhecendo e é essencial estabelecerem uma rotina, pois é o bebê que deve se adequar a sua rotina. O jeito de segurar o bebê é fundamental, ele deve ser mantido com o lábio inferior voltado para fora e o queixo tocando a mama. Mães podem ficar inseguras e ansiosas com medo de não conseguirem cuidar do bebê, isso pode influenciar na amamentação. Com orientação profissional, apoio familiar, troca de experiências com outras mães. A mulher percebe que seus temores são absolutamente normais que as dificuldades da amamentação podem ser amenizadas e que seu vínculo com o bebê também é criado de outras formas complementares a amamentação. Quando a criança completar seis meses a Organização Mundial da Saúde recomenda: complementar aos poucos com o leite materno outros alimentos como sucos e papinhas. Recomenda-se que a mãe procure um profissional de saúde para orientá-la sobre quais alimentos oferecer em mais essa etapa importante da vida do bebê.

É de suma importância que a criança seja amamentada desde o nascimento até aos 6 meses de vida, e posterior até aos 2 anos de vida. A importância da criança que é amamentada até os 6 meses é uma criança que não precisará ir com constância ao médico, que terá uma saúde melhor, criará anticorpos para combater doenças crônicas e criará um vínculo maior com a mãe. Para a mamãe, a mamada na primeira hora de vida estimula a contração do útero de volta para o tamanho normal. Observou a Coordenadora de Atenção Primária Básica de Saúde, Joice Silva da Costa.

Uma sociedade preocupada com a primeira infância. É uma sociedade que se importa com o seu futuro e bem estar de cada criança.

Marcaram presença autoridades municipais no evento do Programa Criança Feliz, dentre estas a primeira-dama Maria Meres Vaz da Silva, também Secretária Municipal de Assistência Social, a Supervisora do Programa Criança Feliz, Elisangela Lima dos Santos, a Coordenadora do CRAS, Luzia Moura Lustanardes, a Coordenadora da Mulher, Osmarina Nonato Lopes Kaxinawá e assessoras e equipes de apoio da Secretaria Municipal de Assistência Social e o Centro de Referência de Assistência Social.

Galeria de Fotos


0 comentário